quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Depois do Natal

No domingo regressámos a casa. Antes de sairmos verifiquei que a febre se mantinha. Dei-lhe Nurofen para que pudesse fazer melhor a viagem. Fui-lhe colocando uma fralda embebida em água para que a febre não subisse. Dormiu toda a viagem, o meu pobre filho. Quando chegámos a casa a temperatura tinha estabilizado.
Chegar a casa é muito bom. Quando estou ausente gosto sempre de voltar ao conforto do meu belo cantinho. O lado mau é desfazer as malas: 500 kg de roupa para lavar, sacalhada por todo o lado, brinquedos e mais sacos, sacos e sacos. Foi "aterrar" e começar a fazer máquinas! O Tomás estava bem disposto, jantou bem e brincou muito.
Os avós, como não tinham passado o Natal com ele, não resistiram em fazer-lhe uma visita. Mais uma vez, pulou e brincou, tanto que a minha avó até me dizia que nem parecia que estava doentinho. Eram, porém, 00h30 e ele começou a ficar vermelho como um tomate, com arrepios, muito estranho. Temperatura: 39,3. Já não descansámos e em 5 minutos estávamos a sair de casa para o Hospital Privado da Boa Nova, que tem urgências 24h. Chegados lá, continuava a arder em febre.Não demorou muito até sermos atendidos. Novo raio-x revelou que a pneumonia havia se espalhado por ambos os pulmões. Resultado: não estava a reagir ao antibiótico. Até achámos estranho, pois é somente a 2ª vez que está a tomar antibiótico desde que nasceu. A médica manteve o antibiótico por mais uns dias e simultaneamente receitou-lhe um novo antibiótico e o Tamiflu, para além de nos informar que queria recolher secreções para a análise do H5N1. Achámos estranho aquele diagnóstico: ele não tinha os sintomas típicos da Gripe A. 4 dias depois ainda aguardamos pelo resultado da análise. A médica informou-nos que o queria ver daí a 2 dias para uma reavaliação (e isto deu um filme que mais tarde contarei).
No dia seguinte já estava bem melhor. A febre descera, já não era o mesmo. Quando na 3ª-feira fomos novamente à consulta, a auscultação revelou essas melhorias. Uff!! Nunca chegou a tomar o Tamiflu, pois contactámos o pediatra dele que nos disse para não darmos. Ainda bem que não demos, os efeitos secundários daquilo são devastadores. Coitadinho do meu pequeno, já está a tomar uma porrada de medicamentos, só mias faltava dar o Tamiflu.
Hoje ainda tem expectoração, mas acredito que esteja a recuperar. Esperamos nós, já chega de vê-lo sofrer.
E com isto escrevo o último post de 2009.
Este ano ficará certamente na lista dos piores anos da minha vida. Tudo me aconteceu e só tenho amarguras para carpir face a este ano! Como tal, conto os minutos para a meia-noite de hoje.
Espero que o novo ano traga saúde, emprego e amor para a minha família e para todos em geral. São estes os ingredientes necessários para tocarmos a vida para a frente. Já sabemos que a existência é feita de altos e baixos, mas já chega de baixos, venham os altos!!!
Um bom 2010 para todos os que nos acompanham!!!
E agora vou preparar a ceia que a festa hoje será cá em casa.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Longos dias...

E lá se passou mais um Natal!
E este vai ficar presente nas nossas memórias e não será pelos melhores motivos.
Vamos por partes:

Dias antes do Natal:

Fomos à primeira festa de Natal da escolinha do nosso filho, em que o petiz interpretou "A dança dos brinquedos", ou melhor dizendo, ficou muito pasmado a olhar para o público e a pensar "-Que é isto?". Foi tão giro, adorei: o cenário muito bem montado, tudo muito bem feito, os pais todos a babar, com lugar a Pai-Natal e distribuição de presentes e tudinho. Fez-me lembrar tanto as festas do colégio onde dei aulas durante 2 anos e da azáfama que era montar tudo aquilo, mas que era compensada com o feedback positivo dos alunos e dos pais. Adorei e para o ano voltaremos, certamente!
Dias depois, fomos novamente com o Tomás ao pediatra por causa da tosse. Como tinha secreções nos pulmões, o pediatra reforçou a medicação que toma rotineiramente (Seretaide e Singulair) e deu-lhe ainda o Aerius, bem como recomendou de novo Cinesioterapia Respiratória. E no dia seguinte lá começámos com as sessões. Não considero que seja assim tão eficaz, mas o pediatra aconselhou e nós fizemos. Na consulta ele havia falado em 10 sessões, por isso estranhámos quando a terapeuta ao fim de 3 lhe deu alta por considerar que os pulmões estavam limpos. Ficamos felizes da vida a pensar que finalmente nos tínhamos visto livres de ranhocas e tosse por uns tempos. Isto na 2ª-feira passada...
Na 4ª-feira rumámos a sul para passar o Natal. No dia seguinte, por volta da hora do almoço, ele começou a encostar-se muito a mim e fui tirar a febre e lá estava a dita. E assim, foi almoçar e correr com ele para mias um hospital em Lisboa. Fomos ao Hospital Privado dos Lusíadas. Se destestei a CUF Descobertas, adorei este hospital. Ao fim de 5 minutos estávamos a ser atendidos. O médico era experiente, muito simpático. Depois de analisar o meu filho ( e de tecer rasgados elogios à sua beleza, inteligência e simpatia-baba, muita baba), mandou fazer um raio-x e um aerossol. Começámos pelo último: foi uma animação, pois na sala havia um baloiço. Ele delirou. O raio-x, por seu turno, revelou algo que não esperávamos e quando o médico, sem grandes alarmismos, balbuciou a palavra "pneumonia" senti, por breves instantes, as minhas pernas ceder. Tranquilizou-nos, deu-nos antibiótico e disse que estava no início e que aquilo resolver-se-ia facilmente.
A noite de Natal:
Acabou por ser boa. A febre estava controlada. Fartou-se de brincar com os primos e aguentou-se fresco como uma alface até à hora de abrir os presentes. É muito diferente passar o Natal com crianças. É bom ver o entusiasmo que manifestam ao receberem as prendas. O Natal é mesmo deles, mesmo que os motivos (consumismo, materialismo) não sejam os mais nobres.E o Pai-Natal foi muito generoso. Eis a lista:
- Um livro com sons dos animais;
- Um barco pirata de construções;
- Caixa de construções "A quinta" da Fisher-Price;
- Camisola da Benetton;
- Sweat-shirt da Throttleman;
- Pantufas;
- 120 peças de legos da MegaBlocks;
- Xilofone de madeira (We have a winner!!!);
- Calças de ganga;
- Comboio de sons;
- Abelha dançante e cantante (música do Crazy Frog-já começamos a ficar com comichão quando a ouvimos)
- DVD do Kimba;
- 2 pares de collants;
- Dinheiro para o mealheiro;
- Copo de transição da Chicco;
- Casaco de malha + cachecol (hand made)
- Mais 2 prendas por abrir.
E ele apreciou abrir os presentes, foi engraçado.
O dia de Natal...
Acordou sem febre. Pensámos que o antibiótico estava a fazer efeito. O papá, porém, acordou com dores de garganta. Eram dores fortes e, como tal, resolveu dar um "pulinho" ao Amadora-Sintra. Pensámos: "é Natal, as pessoas estão para fora, vai ser rápido". Saiu de casa às 11h, regressou às 17h...acabámos por almoçar sem ele e sem o meu sogro. Hospitais públicos...nem vou começar, abomino, como já aqui o referi por diversas ocasiões. Cada vez que lá vou, reforço as minhas teorias. Enfim,...enquanto esperávamos, descobri que a febre do Tomás tinha regressado. O Ben-u-ron controlava-a, porém.
Não foi o dia de Natal perfeito. Quando estamos doentes (sim, para além do pai e do filho, estava que não me aguentava das costas) as coisas não podem ser vividas com grande intensidade. Mas foi um Natal em família, como manda a tradição. A tradição do sul, que em certas coisas é diferente da do norte, mas ambas são boas. Por exemplo, não se come farrapo velho no dia seguinte. O cabrito também não é o prato eleito do dia de Natal. Pão de ló também se acha ausente. E os bolinhos de bacalhau também. Mas não senti falta de nada disso, havia outras iguarias!
O após Natal fica para amanhã...sono, muito sono

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Gosto de...


...dias de Inverno solarengos, como o de hoje!

Estou tão bem disposta!
P.s.- imagem retirada da internet.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Ontem foi dia de consulta com o nosso pedi!
Foi uma consulta muito engraçada. O pequeno, quando entrou no consultório, pediu colo ao pedi, que o deu, referindo-se a ele como "fofinho" e a consulta foi dada mesmo assim, ao colinho do pediatra.
O Tomás está óptimo: bem desenvolvido, comunicativo, espertalhão, grandalhão, e outros "ão" que ficar"ão" para a revelação dos 17 meses. Ainda anda com ranhocas e lá viemos com uma medicação a longo prazo para fazer. Vamos ver se resulta!
Antecipámos esta consulta para sabermos a opinião do pediatra sobre a vacina da gripe A. Ficámos muito aliviados, confesso. É que o nosso pediatra desaconselhou a toma da vacina e explicou-nos tim por tim quais os motivos por detrás desta tomada de decisão. Achámos que a explicação fazia todo o sentido e, como tal, não vamos dar. Desconhecia que havia países europeus onde a vacina havia sido proibida, mas depois de ter ficado na posse desta informação, fiz umas pesquisas na internet e tudo se confirmou. A Suiça é um deles. Isto é tudo um belo de um negócio ao serviço de interesses económicos de muito boa gente.
Mudando de assunto, esta semana fui à Primark que abriu aqui perto, nomeadamente no Parque Nascente. Confesso que tenho vindo a mudar a opinião acerca desta loja. As coisas não têm uma qualidade como pensei à partida, até são bem razoáveis se atendermos ao preço. Lá comprei uns collants para o Tomás e pela módica quantia de 6 euros comprei 6 mantinhas para dar de presente às educadoras e auxiliares da sala do Tomás, do ano passado e do presente.
Hoje ainda estivemos para almoçar fora com os avós, mas atendendo ao frio que se faz sentir, optámos por ficar por casa no quentinho. Ficar em casa, por vezes, até sabe bem. Foi para compensar a minha ausência no sábado de manhã, que mais uma vez rumei a Serralves em visita de estudo a fim de dar início ao conhecimento sobre arte contemporânea. Os formandos adoraram, apesar de levarmos com chuva em cima durante uma hora! Onde estão os dias de Inverno com sol?

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Gosto de...

...celebrar o Natal!
O que mais gosto nesta época festiva é a alegria que se sente no ar. Talvez seja uma felicidade motivada em grande parte pelos motivos errados - os presentes, o consumismo, a fartura - mas que as pessoas se transformam nesta altura do ano é um facto.
A seguir aos semblantes felizes, gosto muito de ver as ruas decoradas, se bem que o lado mau é o desperdício de energia que um dia pagaremos bem caro. Adoro passear pelas ruas e ver as decorações de Natal, principalmente na baixa do Porto, se bem que não me desloco lá desde a minha garvidez. O frio retrai o entusiasmo...
Confesso que este ano montei pela primeira vez a árvore de Natal cá em casa. Em 4 anos de casados nunca havíamos sentido necessidade de o fazer, mas agora com um pequeno cá em casa tudo muda de figura. Até então os nossos enfeites eram a caixa do Sr. Neve, que vamos enchendo (e esvaziando) com rebuçados, caramelos e chocolates e o Sr. Pinha que sempre colocámos na porta da cozinha. É bem certo que o Natal é das crianças! Por isso, metemos mãos à obra: comprámos a árvore (artificial, que aqui protege-se o ambiente), os enfeites, as luzes, a estrela (como gosto da nossa estrela) e voilá, eis o resultado! Live and colors a nossa árvore parece muito maior e mais farfalhuda, cheia de bolinhas brilhantes, cujo o esplendor a foto não consegue revelar. Ficará mais preenchida ao longo dos anos com o crescendo de enfeites. Mas gostei do resultado: simples e bonita, como a nossa família (modéstia à parte!). E daqui a uns dias já será Natal!

sábado, 21 de novembro de 2009

Recordar é viver

Há precisamente 2 anos atrás descobri que tinha uma vida a crescer dentro de mim!
As emoções desse dia são difíceis de descrever...não são sentimentos facilmente traduzíveis por palavras. Foi um momento inesquecível, que vai acompanhar-me até à minha última hora. E daquele momento em diante tudo mudou na minha vida. Não há a mais pálida dúvida: ser mãe é a maior dádiva que podemos receber. E hoje não podia deixar de celebrar essa descoberta!
Esta semana andei atarefada com os presentes de Natal. O Tomás esteve em casa, pois na 5ª-feira da semana anterior ficou com mais tosse e lá tivemos de ir ao médico novamente (fomos ao Hospital Privado da Boavista, mas foi uma noite que prefiro esquecer; não conto pôr lá os pés tão cedo) e, como tal, não foi à escola por prevenção, apesar de só ter tosse e estar tudo ok, e lá nos acompanhou nestas andanças. E a mais de um mês do Natal, posso dizer que já comprei 90% dos presentes. Faltam apenas uns 3 ou 4.
Ontem, fomos comprar-lhe um calçado novo e já tivemos de comprar o tamanho 23, que é para aí o que um miúdo de 3 anos usa. Acabei por lhe comprar também uma camisa janota a condizer com os Geox novos. E neste momento estou a tentar afastar-me das lojas, pois têm sido uma tentação e eu até nem sou muito consumista, só qb.
Ontem, fomos contactados pelo centro de saúde para agendarmos a vacina da Gripe A e...estamos como o tolo no meio da ponte. Dar ou não dar? Eis a questão. Vou mandar um mail ao pediatra, mas confesso que estou bastante receosa. Os casos divulgados pela comunicação social têm-me deixado apreensiva. Não sei mesmo o que fazer...

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Enfim...

Refeita do susto e na ressaca de uma noite de pesadelo ainda com o meu acidente, somente interrompida pela tosse do Tomás que apenas após 2 dias de infantário já voltou, eis que não podia deixar de frisar um episódio que se passou comigo este fim-de-semana. Ora, com o Tomás ainda em recuperação, lá fui sozinha às compras e o pai ficou com ele em casa. Muito raramente faço compras no Continente, pois é um hipermercado que não me inspira grande confiança, mas soube da campanha do desconto nos brinquedos e fui lá dar uma espreitadela. Quando lá cheguei a minha alma ficou parva: as pessoas corriam (literalmente) pelas escadas rolantes a fim de chegarem mais depressa à loja, não havia carrinhos de compras (eram 10h da manhã), dentro da loja era um caos. Posso dizer-vos que cheguei a ver pessoas a passar pelas prateleiras, abraçar os brinquedos e despejá-los indiferenciadamente nos carrinhos. Parecia o anúncio de que chegara o Apocalipse! Eram berros, não se passava em lado nenhum, via-se o brilho do consumismo no olhar das pessoas. Às duas por três começo a ficar com falta de ar e com umas dores de cabeça daquelas, não consegui ficar ali muito tempo. A menina da caixa até me disse que nos outros anos houve quem roubasse os brinquedos do carrinho de compras do vizinho e até houve lugar a estaladas! E pergunto-me: mas o que se passa? Ensandeceram? São só brinquedos! Que sociedade a nossa!
Com este consumismo, o espírito de Natal desvirtuou-se! Os miúdos só querem saber dos presentes, porque isso também lhes é incutido pelos pais. Imaginem, que a maior parte das pessoas estava a comprar os brinquedos com os filhos ao lado a dar palpites! Já não há magia! É uma tristeza. Foi uma vez para nunca mais.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Há dias assim...

Vinha eu muito sossegadinha a caminho de casa, quando, de repente, só vejo uma moto a vir em direcção a mim! E depois de um grande embate, tudo o que vejo é o meu vidro a desfazer-se em mil pedaços e o homem no meio do chão. Depois, foi um stress: primeiro, fico tão nervosa que nem consigo abrir a porta do carro; segundo, era vidros por todo o lado; o rapaz a sangrar, com sangue a pingar das mãos...e quando saí do carro, depois de chamar uma ambulância e a PSP e de me certificar que o doidivanas do rapaz estava bem, nem queria acreditar no estado em que ficou o meu carro quase novinho, que veio km 0 para a minha mão. O rapaz era novito (carta provisória e caducada, ai!), não parou no stop e ultrapassou-me a uma velocidade que nem sei como o desfecho não foi pior. Depois de se acalmar, lá se deu por culpado. Papelada preenchida, horas de seca à espera da PSP, do reboque e da ambulância, eis que me vejo privada do meu belo carro por tempo indeterminado. E agora ando na azáfama dos seguros para cá e para lá. Não me aconteceu nada, nem um arranhão graças a Deus, e o rapaz teve apenas uns vidros espetados na mão, mas não deixo de estar muito triste pelo sucedido. Raio de sorte! Grande bruxaria me lançaram!

domingo, 8 de novembro de 2009

Gosto de...


...chocolate! Chocolate em barra, bombons, bolo de chocolate, chocolate quente...mousse de chocolate! No que toca a chocolate, por estes lados não há lugar para discriminações. E acho que vou passar esse gosto ao meu herdeiro, hoje no almoço em casa dos avós, lá foi à taça da mãe passar o dedito e lambuzar-se! Who can blame him?

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Precisa-se...

...de muitas sugestões para prendas de Natal! É inevitável, já cheira a Natal, está por todo o lado! Este ano quero comprar tudo até ao final de Novembro, não tenho pachorra para o stress de andar às compras em Dezembro. Para além de detestar estar em filas, tenho muito trabalho na escola com os testes e as avaliações, portanto quero ficar despachadinha!
É muito difícil escolher presentes para o Tomás, porque no Natal terá 17 meses e para ele qualquer coisa é um brinquedo! Gosta de legos, mas já tem muita coisa. Vou dar-lhe livros giros e pedagógicos e um DVD de músicas, mas queria dar-lhe um brinquedo também.Como tal, aceito sugestões! Fico à espera.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Gosto de...


...arquitectura contemporânea. Se morasse numa moradia teria de ser vanguardista, invulgar, um "caixote" como diz o meu pai. Quatro paredes, com telhas laranjas, não é para mim.

Tenho a sorte de viver num prédio muito contemporâneo, com acabamentos que primam pelo pormenor, facto que faz toda a diferença. Se tivesse talento para o desenho teria sido arquitecta ou designer de interiores, adoro decoração. Pena que os meus fundos monetários não se coadunem com o meu gosto apurado!


P.S. - Tomás começa a recuperar...uuff!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Mais uma ida às urgências

Foi inevitável.
Ontem de manhã, vomitou o pequeno-almoço e achei que não podia deixar para depois, tinha de ir novamente ao médico.
Lá fomos à CUF de novo, e percebi que de facto o Outono tinha chegado: estava pejada de miúdos. Fiquei, confesso, em pânico. Qual histérica, quando vi aquela miudagem toda, na minha cabeça comecei a imaginar a quantidade de virus que não andaria por lá. Não consegui ficar ali e saí porta fora. Durante o dia não faltam privados onde recorrer. E assim lembrei-me de experimentar o Hospital da Boa Nova, do grupo Trofa Saúde. Cheguei lá e a sala estava vazia, suspirei de alívio. As condições eram as esperadas de um hospital privado acabado de inaugurar, mas acho que há muito a melhorar. Demoraram muito no atendimento e para esperar...
Os vómitos eram provocados, como já o adivinhava, por expectoração presa na garganta. Assim, foi mais catrefada de medicamentos, depois de fazer um aerossol in loco.
O resto do dia foi um stress: chego à farmácia e a dosagem do medicamento principal não existia; toca a ligar para a médica e esperar, esperar até que desesperei e passei lá mais tarde; não consegui almoçar; cheguei à escola em cima da hora; tive, como todas as semanas à 5ª-feira 90 m. de aulas de substituição (nunca vi gente igual para faltar); voltei à farmácia; fui a casa ver o pequeno; voltei para o trabalho; muito trabalho,entre outros.
Hoje parece melhor, pelo menos já tem apetite. Espero que fique bom depressa, é horrível ver o meu filho assim. Para além disso, estamos esgotados e a nossa "maria" (máquina da roupa) também.
P.S. Obrigada por todos os conselhos, ainda que já tivesse experimentado quase todos.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Semana muito má

O meu Tomás está doentinho desde 6ª-feira!

Tudo começou com um acordar agitado na madrugada de 6ª, que culminou com o vomitar do jantar. Ainda vomitaria 3 vezes nessa madrugada. Optámos por não levá-lo para o infantário, ainda que nos parecesse bem de manhã. !ª noite mal dormida. Ao longo do dia andou bem, não fosse um cocó anormalmente mole estaria tudo dentro do regular. Ao final do dia começou com uma tossezita, nada de especial, porém essa noite foi das piores que tenho presente na memória: tossiu durante horas e horas seguidas. Não estva mais de 5 segundos sem tossir. 2ª noite sem dormir. Assim, o nosso sábado começou na CUF para ver o que andava por ali. Laringite, de novo. Passamos pelos avós mais para os tranquilizar, que, coitados, se fartaram de nos ligar, almoçámos por lá e voltamos para casa, com o pequeno sempre a tossir. A noite foi igualmente má. Ainda não eram 2h da manhã e já andávamos na janela, para ver se o ar da noite acalmava a maldita tosse. Não houve progressos e só adormeceu de madrugada, exausto no meu colo. No domingo de manhã a tosse ainda morava por cá e, após o pequeno-almoço, lá vomitou de novo. Um caos: foi o sofá, o edredão, a roupa dele, a carpete da sala, a roupa do pai. A tosse, todavia, deu tréguas ao meio da tarde e pensámos que estávamos, finalmente, a recuperar. Qual quê, no domingo à noite, deitei-o, voltou-se, chorou, levantei-o e .... jantar cá fora outra vez. Na 2ª a tosse tornou-se espaçada e andou bem durante o dia. Terça de madrugada, tosse uma vez e vomita tudo de novo. O pediatra não estava de serviço e mandei-lhe uma mail, ao qual não me respondeu. Esta noite acordou de noite a tossir, veio qualquer coisa à boca, mas, graças a Deus, não vomitou.

Resumindo: desde sexta que ninguém consegue dormir nesta casa; de sexta para cá já fiz umas 10 máquinas de roupa; o cheiro parece não desaparecer; estou com umas olheiras daqui até ao Algarve; sinto-me cansada numa altura em que tenho de fazer o teste, implementá-lo, corrigi-lo, entregar um relatório, redigir os meus objectivos, corrigir cerca de 75 trabalhos dos meus alunos da noite.

Até quando irá prolongar-se este estado? estou tão preocupada com o meu filho... ainda por cima, no sábado, bateu com a cabeça na mesa da sala e está com uma pisadura do tamanho do mundo debaixo do olho que lá para o Natal ainda estará instalada no belo rosto do meu filhote.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Coração partido-parte II

Depois de ser trocada pelo pai na semana passada, ontem fui buscá-lo à escola e quando me viu sorriu-me, voltou-me as costas e abraçou-se à auxiliar da sala dele do ano passado. Não a queria largar e chegou a chorar para vir para o meu colo. Fiquei doente...cheguei a chorar.
Filho, sempre soube que chegaria o dia em que partirias o meu coração, só não esperava que começasses tão cedo.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Belos dias de Outono

Os últimos fins-de-semana foram de laréu! Na semana passada fomos almoçar a um restaurante de rodízio brasileiro com os avós a Barcelos. Como já esperava, o petiz quis provar de tudo, ainda que as experiências fossem sujeitas à censura dos pais. Quando a avó achava a mãe distraída lá ia mais qualquer coisita para a boca, pesa embora o pequeno não se denunciasse. Adorou pêssego em calda junto com a picanha e banana frita! Só fez mesmo birra para comer a sopa! Podera, com tanta coisa gira e colorida para comer...quem quer sopa???
Este sábado, dia em que completou uns belos 15 meses, fomos passar o dia à quinta dos meus tios e da madrinha do Tomás (minha prima)! Adorou andar à rédea solta e até terra comeu. Viu os porquinhos e os porcões, o galo e as galinhas, os cães e a restante bicharada. Uma quinta enorme, com uma casa senhorial que me lembra tantas passagens das obras do Eça, com tantos recantos para explorar avizinhou-se a um parque de diversões aos olhos do meu filho, que não parou um segundo! Tudo que era bichinho, pedrinha ou pedacinho de qualquer coisa, lá se vergava para averiguar! Ao almoço, comeu uma bela cabidela (sem sangue, para ele, claro!), maçãs biológicas e pãozinho com fartura. Até bolo de maçã com canela provou e chorou por mais! Isto tudo sentadinho ao colo da madrinha, claro! São todos uns queridos, os meus tios são uns amores, gosto sempre de lá ir!
Resumindo: chegou a casa ko e nós também!!!
E assim se passou mais um mês em que:

- as birras aumentaram;
- começou a dançar pelo próprio pé;
- mexe em tudo;
- a teimosia já lhe é notável;
- vai comendo pela própria mão;
- escova os dentes sozinho (com alguma insistência);
- aumentou o gosto pelos legos;
- carrega no botão do elevador, porque já percebeu que é assim que sai de casa;
- tenta abrir a porta do carro para entrar;
- trilhou um dedo pela 1ª vez (ai, ai);
- etc, etc, etc.
Aqui fica um cheirinho do nosso fim-de-semana:

sábado, 17 de outubro de 2009

E esta?

Coração de mãe fica partido quando vai com o pai buscar o filho ao infantário, coloca-se de cócoras em posição para dar aquele abraço que esperou todo o dia receber... e o filho...passa pela mãe, contorna-a e vai...abraçar-se ao pai! Não me conformo...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

E o que faziam...

... se, de repente, passassem no site do fotógrafo que fez a reportagem do baptizado do vosso filho e vissem 4 fotos do petiz lá publicadas, sem que tivesse pedido a vossa autorização??? Fiquei fula! E não sei o que fazer? Exijo a retirada ou não? Ele já está muito diferente...

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Gosto de...


...dormir numa cama acabadinha de fazer! Com cheirinho a lavandaria. Tão bom!
p.s. - foto tirada da net.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

And life goes on...

Depois de mais um fim-de-semana de cão, que me atirou de novo para a cama (a minha gastrite não me dá tréguas), me levou novamente a consultar um médico e a cancelar uma saída em família há muito agendada, eis que, ainda não recuperada, me ando a arrastar para suportar uma semana de trabalho sem faltar.
O que mais me custa é não conseguir dar a atenção que devia ao meu filho, vou-me mesmo abaixo, sinto-me pessimamente. As mães nunca deveriam adoecer, somos imprescindiveis e quando parámos, ainda que tenha o bafejo da sorte de ter um marido fantástico, tudo parece também parar. Logo, aceito todas as sugestões de mezinhas para o estômago e vesícula que conheçam. Estou por tudo e já experimentei chá de hipericão, lúcia-lima, cidreira, pés de cereja, etc sem grandes resultados.Agradeço todos os conselhos.
Hoje estou particularmente triste porque o Tomás passou a ficar o dia todo no infantário até às 16h30. Na duas últimas semanas só ficava manhãs. Precisamos mesmo de tomar esta decisão por ele, pois (quem me mandou abrir a boca) começou a fazer cada choradeira quando o íamos deixar que saía dali de coração partido, culpadíssima por estar a deixá-lo para trás. O convívio e as rotinas fazem parte da vida e, por mais que me custe, vou ter de me habituar à ideia. Mas depois não resisto a ver o "Sid Ciência", porque me lembra o meu princípe e vertar uma bela de uma lágrima de saudosismo. Sou uma galinha, babada e chorona!
Mas tenho algo nas minhas mãos que me ajuda a matar as saudades.É que chegou o álbum digital do primeiro ano dele e está lllliiiinnnnnddddooo de morrer!!! pena não o poder mostrar. E já estou a reunir as fotos para o 2º. É muito bom olhar para o percurso, perceber como mudou, como cresceu...e o tempo passou e está a passar. E a comoção é sempre a tónica desta viagem ao passado, ainda que seja uma emoção de felicidade.
E está na hora de mais uma chávena de chá...

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Prós e contras

Ando numa de fazer balanços!
A começar pelo fim-de-semana:
Prós:
- Houve uma eleição em que o PS perdeu a maioria absoluta e o Bloco de Esquerda dobrou o número de deputados. Boas notícias para os portugueses!
- O Tomás não fez qualquer reacção à vacina da varicela.
- A avó teve uma boa notícia!
- Acabámos o fim-de-semana com bela jantarada com os avós!
Contras:
- No sábado quando acordei tinha a visão turva e ao levantar-me senti uma tontura tão forte que tive de me deitar de imediato. Não consegui levantar-me todo o dia, não segurava a cabeça. Acabei por chamar o médico a casa que me disse que teria uma entre duas coisas: início de uma virose ou uma paragem digestiva. Foi horrível, mas no domingo já estava melhor;
- No domingo. satisfeita por finalmente me aguentar de pé, o pai acorda com dores de garganta e ontem acabou por acamar. Está a recuperar.
- O Tomás não saiu incólume, anda com umas ranhocas, tosse e 37,5 de temperatura. Para já está a aguentar-se e hoje ficou em casa por prevenção.
Da escola nova:
Prós:
- Ambiente muito informal;
- Pouca burocracia;
Contras:
- Raro é o colega que responde aos cumprimentos e há poucas coisas que me irritem mais do que gente pouco educada;
-Tenho poucos alunos (idades entre os 13 e os 15)que já tenham lido um livro na vida, ia enfartando! Até percebo que sejam a geração da tecnologia, mas zero livros lidos???
-Escola muito degradada; anda por lá a "Parque Escolar" e para o ano a escola será um luxo, mas já não estarei lá para ver.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

O regresso à escola

Na passada quarta-feira o Tomás regressou à escolinha! Confesso que na véspera fiquei tensa, pensei que fosse um dia de choradeira para os dois, dois meses de ausência exigiria uma nova adaptação, um "começar de novo". Mas fui surpreendida: mal saiu do carro, foi, pelo próprio pé, feliz da vida em direcção à porta principal. Pareceu-me ter reconhecido o local e dava um ar de "miúdas, cheguei!".
Foi, como esperava, muito bem recebido. Mudou de sala, de educadora e de auxiliares. Do ano anterior só restaram os colegas, ainda que na recepção ao meu petiz a educadora e auxiliares do ano passado o tenham vindo "mimar". Eu e o papá fomos levá-lo à sala nova, bem diferente da anterior e tivemos daquelas sensações que nos levam mesmo a aceitar que ele cresceu. O petiz, por seu turno, quis ver tudo, distribuir charme por todo o lado e, assim como quem não quer a coisa, escapou-se para a sala dos dois anos, num claro aviso de que "eu quero é brincar com os crescidos". E digo-vos ninguém diria que o meu filho não seria daquela sala, ainda era mais alto do que alguns de lá.
E quando o apanhámos distraído, lá fomos à nossa vida com o coração apertado de alguém que deixa a sua alma para trás. E onde vai uma mãe contar a 1h30 que a separa de ir buscar o seu rebento novamente (sim,, voltamos à adaptação)? Ao shopping, claro está. Estava a dever uma prenda ao meu irmão,mas confesso que não me empenhei na procura, queria é despachar a coisa depressa para não me atrasar. E foi com um soluçozito que o nosso princípe nos recebeu. Perguntei: "Então, ficaste triste filho?, resposta da auxiliar: "Não, mãe. Esteve muito bem, mas quando acabou de almoçar queria mais e chorou. Só se calou quando lhe demos a fruta!". Este rapaz e a comida, meu Deus!
Na quinta voltou à escolinha, mas hoje ficou em casa. Foi levar a vacina da varicela, tadinho! Mais 50 euros para o fundo "Tomás vais arruinar as finanças dos pais"! Foi uma choradeira, mas agora parece-me bem!
E está na hora de colocar gelo!

domingo, 20 de setembro de 2009

Gosto de...

Ao jeito da Oprah (My favourite things), vou revelando as minhas coisas preferidas. Aqui vai:


Gosto de fotografias de locais. Esta é uma das minhas favoritas. Foi tirada em 2007 nos canais da bela Veneza por "moi-même". Nem parece um reflexo na água, não é verdade?

sábado, 19 de setembro de 2009

Fall!!!


Adoro o Outono, mas este está a começar mal! Estou constipada! Dar aulas à noite tem destes inconvenientes. É que quando entramos ainda está quente, mas quando saímos já a noite vai longa e está um frio de rachar. E já cheira a Outono por todo o lado. Em breve as folhas vão começar a cair e eu adoro caminhar sobre o estalar das folhas secas. E está um belo dia para uma chávena de chá de menta e um folhado de maçã com canela a acompanhar!!! E é o que vou fazer, enroscadinha no marido e passar a tarde a ver filmes na companhia dos meus dois amores.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Belo dia!


E quando me preparava para entrar no carro para ir para mais uma reunião eis que deparo com uma bela rosa vermelha no meu assento! Com bilhete acompanhar e uma bela mensagem que não vou revelar. Quem pode andar maldisposta assim? E nem a ida ao dentista me estragou o dia! Há que preservar o romantismo, o amor tem de ser alimentado todos os dias. Que belo mimo amor e, "by the way", eu também!

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Há dias...

Nunca vos aconteceu acordar um dia, revisitar o vosso passado e tirar conclusões, por vezes tão evidentes que sempre estiveram presentes mas nunca as aceitamos? Pensar nas emoções que não vivemos, nos sonhos que não realizamos e que dificilmente concretizaremos, nas experiências que adiamos? Recordar quem fomos e onde queríamos chegar? Reflectir nas escolhas que fizémos e pensar se foram as mais acertadas? E concluir que estamos tão distantes de nós...
E, num dia como este, pensei que bom seria que esta não fosse a minha história, mas uma outra. Talvez fosse pior e talvez não...nunca sabemos ao certo o que teria acontecido se tivessemos optado por outro caminho. Mas há dias assim, em que questionamos tudo. Que outro dia chegue em que ache que, afinal, tudo valeu a pena...

O regresso ao trabalho e mais uma consulta

Ainda não me habituei à ideia de que terei de me ausentar de casa de 2ª a 5ª à noite e ainda ter 3 dias de aulas durante o dia com o 7º ano, um ano que detesto leccionar. Devo confessar que me custa muito sair à noite para trabalhar, por vários motivos: por ser a altura do dia em que devíamos estar juntos, por me pôr a fazer 500 coisas durante o dia e quando devia estar a descansar tenho de sair, por ver todos os carros do prédio a chegar e eu a ter de partir, por implicar que o meu dia tenha mais horas, por estar sempre stressada com a hora de sair, etc. Enfim, são múltiplas as causas que me levarão certamente bastante tempo a conformar-me com a situação. É evidente que dar nocturno também tem vantagens: não ter de lidar com a indisciplina, ter alunos mais motivados, não haver lugar para grande alarido, e o silêncio, tão bom ter silêncio. Daqui a nada já me habituo, mas avizinha-se um ano pesado.
Estou a gostar muito da escola, dos colegas, dos alunos. Quando vamos trabalhar para um local no qual nos sentimos bem já é uma excelente notícia. É, porém, sempre esquisito começarmos de novo: não conhecemos as pessoas, somos uma espécie de "outsiders", mas este ano tenho a vantagem de haver muito gente nova na escola e, portanto, conto com a solidariedade do "colectivo".
As aulas à noite começaram na semana passada, mas o diurno só começa amanhã e aí é que vou ver como serão verdadeiramente os meus dias.
Ontem também foi dia de consulta dos 14 meses do Tomás. Está óptimo, como eu já esperava. Não houve nada de especial, à excepção da vacina da varicela (mais um monte de euros) que o pediatra aconselhou que tomasse e um medicamento que reforça o sistema imunitário contra a gripe. Nem sabia que tal existia! Claro que vamos dar tudo, desde que seja para o proteger alinhamos em todas as estratégias! Ainda falámos do facto dele suar imenso dos pés, o que provoca um mau odor, apesar de só usar calçado de pele da Geox com sistema respira. Já tentamos limpar o interior com algodão embebido em álcool, mas não tem resultado. O pedi disse que era normal e aconselhou borrifar o interior do calçado com um produto à base de uma substância que agora não sei indicar o nome (o papá fixou). E aos 14 meses (que só faz amanhã):
- Medes 83 cm (percentil 95);
- Pesas 11,800 kg (percentil 75);
- Completaste a dentição para esta etapa (20 dentes);
- Danças;
- Cantarolas;
- Riscas;
- Folheias;
- E continuas a ser fiel à bola (o brinquedo de eleição), à música e aos legos;
- Palavras novas: bola, anda cá, já está;
- Fazes "a galinha põe o ovo";
- Gostas de dar abraços;
- Já levas o talher à boca pela tua própria mão;
- Arrumas e desarrumas os teus brinquedos;
- Continuas curioso, aventureiro e espertalhão.
É cada vez mais um menino e cadavez menos um bebé.
Este mês gostávamos que iniciasse a natação, mas está difícil arranjar horário. Por cá, as aulas são todas ao sábado em todo o lado (e há muita oferta!) e até agora só arranjámos turma ao sábado às 12h, porque será?

domingo, 13 de setembro de 2009

Uma boa semana

Esta semana faz-me lembrar que tudo muda de repente e não há tempestade que não se faça seguir pela bonança!
A meio da semana tive a boa-nova de que fiquei colocada na minha 1ª opção, pertíssimo de casa felizmente, ainda que o meu horário seja maioritariamente nocturno, o que implicará que passe pouco tempo à noite com o meu pequeno. Há que arranjar uma forma de o compensar! Vou poder ir buscá-lo à creche todos os dias e brincamos um bocadinho antes da mamã ir para as suas aulas! Valeu bem esperar 10 dias por esta notícia, se tivesse ficado logo de certeza que estaria mais longe! A escola é uma secundária e as pessoas são muito queridas e bastante informais, bem diferente da escola do ano passado.
Também apresentei uma comunicação num congresso internacional. Foi um dia de muitos nervos, quase não dormi na véspera, pois apesar de já ter apresentado várias comunicações, nunca foram para um público deste calibre, pejado de professores universitários de todo o mundo. Medo, muito medo! Mas saí-me muito bem e foram alguns os que me quiseram felicitar pessoalmente no final. Fiquei satisfeita e até surpreendida comigo própria!
E ainda muito importante para mim: vi o meu primeiro artigo académico ser publicado! Já tinha publicado dois em co-autoria, mas este é só meu. E um dia destes estou a ser citada por alguém. É uma sensação excelente. E tenho o livro sempre à vista, este não pode ganhar pó!
E agora a roda viva vai começar novamente, é o regresso às rotinas, aos dias em torno dos papeis. E o lado menos positivo é que já não vou estar tanto com o meu princípe e um dia destes lá vai ter de ir para a creche, para o meio dos vírus! E vai ficar tristonho...e vai custar-me tanto deixá-lo lá...(nó!)...mas faz parte da vida, pudesse eu tê-lo sempre do meu lado!
E agora vou trabalhar, preparar o meu dossier para o regresso às aulas! E que seja um bom ano, menos conturbado, com uma nova ministra!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

O lado positivo

Se há um lado positivo de ainda não ter ficado colocada é, certamente, a possibilidade de prestar mias atenção ao meu pequeno e até a mim própria (porque não!).
O Tomás não tem ido para o infantário, temos optado por prolongar as férias e retardar a ida para a escola por causa da gripe A. A melhor medida a tomar é prevenir o contágio e enquanto nos for possível vai ficar por casa. Claro que também penso que terá de fazer novamente a adaptação à escola, afinal passou um mês e meio sem esse tipo de rotinas. Também mudou de sala, de educadora, de auxiliares, o que considero muito negativo e que mencionarei na reunião de pais, pois este tipo de mudanças com miúdos tão pequenos não é nada favorável. Já criaram laços, precisam da segurança de caras familiares, vai ser começar tudo do zero novamente. Prática da casa, foi o que me disseram, mas não dar continuidade pedagógica parece-me ilógico. Enfim...ontem liguei para lá e até agora não tiveram nenhum caso e disseram que falariam da gripe A aquando da reunião. A ver vamos!
Como não tem ido à escola, temos aproveitado para brincar com ele. Ontem de manhã fomos a um parque natura e não há nada melhor do que ir durante a semana a sítios desta natureza. Estava um silêncio quase mágico, nem parecia que estávamos a um minuto da parafernália da cidade, até cheirava a aldeia. O calor é que estragou tudo, estava uma bafa que não se aguentava! O Tomás fartou-se de andar de triciclo, de dar comida aos peixinhos e até andou de baloiço com o pai. Mais um belo momento a três.
Esta manhã foi reservada para brincarmos com legos e não é que o petiz aprende depressa?! Começou logo a encaixar as peças, foi tão giro!!! Nós babamos com qualquer coisa e por tudo e por nada, não é verdade?
E é na companhia deste princípe nórdico que a mamã tem tentado colmatar o stress e esquecer os problemas, até porque as tristezas de nada adiantam. Há que manter o espírito positivo. Ainda vou sentir muitas saudades destes dias! Nem quero pensar que em breve terei de o ir levar à escola e ficar londe dele durante muitas horas.

sábado, 5 de setembro de 2009

Birras!

Anda de todo! É birra para comer (nunca quer parar!), birra para dormir, para mudar a fralda, para entrar no banho, para sair do banho, birra por tudo e por nada! Enfim, ando à beira de um ataque de nervos! Ando sempre a respirar fundo e a contar até 10! Espero que seja uma fase. Entretanto, li um artigo que gostaria de partilhar, ainda que na idade do meu não seja fácil cumprir com este tipo de estratégias:

Birras:

Transforme a birra numa prova de amor e faça o seu filho dar mais um passo em frente para a idade adulta.
A maioria das crianças entre os 18 meses e os 4 anos têm aquelas birras quase incontroláveis que deixam os seus pais sem saber como agir. Quem não teve que enfrentar uma birra do filho em plena rua ou no supermercado ou no jantar com os colegas do trabalho? O local e o momento não poderiam ser mais inconvenientes, mas nesta fase as crianças testam ao máximo os limites dos seus pais.A birra resulta da percepção que a criança tem de si como ser individualizado com vontades, mas que ainda não entende que para viver em sociedade tem que ceder. Esta fase da 'afirmação do eu' faz parte do crescimento normal da criança, da conquista de uma identidade própria. Trata-se de um conflito no interior da criança entre a procura da autonomia e a dependência dos pais. É, por isso, um claro sinal de crescimento. E é nestes momentos que muitos pais se questionam sobre as suas capacidades educativas. A maior dificuldade que os pais enfrentam é a de conciliar a compreensão, que visa proporcionar as trocas afectivas de que ela necessita, com a necessária firmeza.Em primeiro lugar, não se oponha se não tiver a certeza que será capaz de ir até ao fim. Se decidir enfrentar a birra, terá que agir com calma e firmeza. Firmeza não implica ser agressivo, muito pelo contrário. Alie a firmeza à suavidade. Nesta fase, torna-se muito importante que os pais aprendam a não ter receio de dizer 'não', deixando bem claro que o amor que sentem pelos filhos é incondicional. A disciplina é também uma forma de amor. Pratique-a sem ignorar os gostos da criança. Não necessita de se tornar um general. A disciplina é, depois do amor, o mais importante que se pode dar a uma criança. Explique sempre a razão do 'não': 'não, porque te podes magoar ou magoar os outros ou estragar o brinquedo...' Expresse empatia e mostre-lhe que compreende perfeitamente o que ela está a sentir: 'Quando era pequena, a avó também não me deixava comer todos os doces que eu queria e eu ficava muito triste. Acontece que se comeres os doces todos vais ficar com uma grande dor de barriga, e a mamã gosta muito de ti e não quer que te doa a barriguinha.' Toque no seu filho numa tentativa de o reconfortar: afague os seus cabelos ou abrace-o. É preciso que você o ensine que as birras não farão mudar a opinião dos pais e que o seu amor por ele não se alterará. Após a birra, felicite-a por se ter decidido pelo bom comportamento.Se mesmo assim não resultar, ignore-a por alguns minutos e continue o seu percurso. Muitas birras terminam quando as crianças deixam de ter público. É claro que nem sempre é possível - se, por exemplo, o fizer na via pública, poderá mesmo tornar-se perigoso. Neste caso, será preferível conduzi-la pela sua mão e avisá-la que mais tarde será penalizada. As penas deverão ser adequadas à idade da criança e mantidas até ao fim. No caso das birras ao deitar, repare se o ambiente não é demasiado ruidoso. Leve-o para o quarto pela mão e conte-lhe uma história. As birras são também frequentes nas horas da refeição. Não insista ou valorize de mais a situação. Quando o seu filho tiver fome, com certeza vai comer tudo num ápice. Numa atitude de despero pode sentir-se tentado a oferecer alimentos mais atraentes mas evite cair em tentação.A birra também permiteà criança lidar com os seus sentimentos e a auto-controlar-se. Incentive-a a fazê-lo com os seus próprios recursos. Aprender que tudo tem limites abre caminho para um convívio saudável com os outros e para uma boa integração na sociedade. As regras são fundamentais.Só com firmeza as crianças aprendem a respeitar as regras propostas pelos pais. No mundo em que vivemos, que se rege por regras, o melhor é aprender a aceitá-las logo desde pequenino.Susana Nunes, interna complementar de Pediatria
In Educare.pt

Bem-vindo!


Nasceu ontem o Guilherme da minha amiga Rita!

Bem-vindo bebé. Desejamos-te uma vida longa e feliz e que enchas a tua mãe de alegrias, ela bem merece, pois lutou muito para hoje te poder abraçar. Felicidades!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

um pensamento


Gostei e resolvi partilhar:


"As coisas mais simples da vida são as mais extraordinárias, e só os sábios conseguem vê-las."

Paulo Coelho

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Os teus 13 meses!

Os teus 13 meses estão a passar depressa!
Tens feito algumas aprendizagens e aprendido novas palavras. Tens descoberto novos sabores e vivido novas emoções. Vai ser um resumo tipo palpite, só para que fique registado:
-Não sei ao certo o teu peso, mas estás mais pesado;
- Cresceste um bocadinho, pois a roupa está-te mais curta;
- Provaste muitos petiscos nos últimos dias e gostaste de tudo, para não variar;
- Já vais comendo tomate e pêssego, ainda que faças cara feia;
- Estás um aventureiro, adoras fazer descobertas;
- Andas por todo o lado sozinho, ainda que a tua sombra seja sempre acompanhada pelos pais;
- Atiras tudo ao chão, como neste preciso momento;
- Andas a tentar agarrar a Nikita e um dia destes vai-te morder, é certinho;
- Gostas de animais, ficas feliz quando os encontras;
- Só te faltam nascer 2 dentinhos, é só dentes na tua boquinha;
- Continuas a gostar de passear;
- Já brincas sozinho com os teus brinquedos;
- Adoras cantarolar;
- Fazes festinhas e dás abraços e não há nada melhor no mundo...
Tenho muita sorte por te ter.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Mais uma vez...

O dia foi tão dramático como esperava: não fiquei colocada! Muitos, muitos candidatos graduados depois de mim ficaram colocados, mas este ano arrisquei e só coloquei bons horários e perto de casa e o resultado está à vista. Senti-me muito mal, confesso. A maior parte das pessoas que conheço ficou colocada perto de casa. Caso para dizer "I feel like ch...", mas há-de passar. Adivinham-se tempos de uma enorme ansiedade, só coloquei horários anuais e agora vou penar. Em 9 anos, nunca fiquei ano algum sem trabalhar, não há-de ser este ano que vou ficar a ver navios. O que mais me irrita é saber que sempre que encontrar alguém vão-me certamente perguntar: "Ficaste colocada?", "Não?! Oh, coitada! Tantos anos a estudar, não é?". Não suporto este tipo de piedade. Positivismo, precisa-se! O Tomás sentiu-me triste e fez-me um miminho na face, é um querido!
Já vi as listas umas 500 vezes, incrédula! Neste momento estou a tentar não olhar mais uma vez para lá! E parar de me fustigar pelo concurso que fiz!
A boa notícia é que com isto das colocações baldei-me ao dentista, pois saíram as listas ainda estava de toalhão de banho e a pingar água. E adiei o meu sofrimento, essa é que é essa! E agora vou comer um quilo de gelado de nozes com caramelo para afogar a depressão! E depois não quero ficar gorda...

Que dia!


Estou com a neura! Ontem estive até às tantas à espera que saíssem as listas de colocação do concurso de professores. Já sei que o mais provável é ainda não ficar colocada nesta fase, mas nunca deixo de ficar ansiosa. Hoje acordei cedo pelo mesmo motivo. Noites mal dormidas são sinónimo de rabugice!!! E agora vou-me arranjar para ir ao dentista! Urrrrrrrhhhhhh! Odeio ir ao dentista! Medo, muito medo! O dia promete!

domingo, 23 de agosto de 2009

Um dia de verão


Ontem fomos almoçar com os avós e o tio a um restaurante à beira-mar na praia onde costumávamos passar os Verões da nossa infância. Estava um belo dia, apesar do vento. Foi tão bom recordar os tempos em que alugávamos casa durante um mês e era só praia, brincadeiras e animação. Quando crescemos, e nomeadamente na fase da adolescência, deixamos de ter interesse por aquele cantinho e passámos a preferir outras paragens. Mas é sempre bom recordar tempos que já não voltarão, ainda que a nostalgia do passado suba à tona e nos incomode. Por vezes penso que o meu filho nunca terá o privilégio de viver uma infância como a minha, tão ausente de perigos e tão rica de liberdade e aventura. Sinais dos tempos...
Adorei, contudo, este almoço, com cheirinho a "Verão Azul"! O Tomás também gostou, fartou-se de comer búzios (os avós deram-lhe à socapa!!!), espetada de lula, salmão e só não provou ameijoa e polvo porque tinha molho picante, senão de certeza que, assim como quem não quer a coisa, a avó lá lhe passaria estas iguarias. No final, a nossa mesa estava um caos! Ele até se portou bem, mas como quer mexer em tudo nada escapa à devastação.
Adorei! São estas coisas pequeninas, tão deliciosamente simples, que dão grandeza às nossas memórias! Quero repetir!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Welcome!


Os bebés da minha amiga Isabel nasceram no passado dia 10 de Agosto! Não podia deixar de dar aqui também as boas-vindas ao Rodrigo e ao Gonçalo! Tratem bem a mãe, sim?!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

De volta!

Regressámos das nossas férias por terras de Portugal! Este ano ficámos por cá, ainda pensei em ir para o estrangeiro, mas com a gripe A decidimos não arriscar. Somos pais responsáveis e cuidadosos e nem sei como há pais que se arriscam a ir para a toca do lobo pelo seu bel-prazer. Há pessoas muito egoístas, negligentes, que não serão pais na verdadeira acepção do termo, serão somente progenitores, pois um pai ou uma mãe é altruísta e não se deixa cair na tentação de pensar que só acontece aos outros. O pior é que esta tipologia safa-se mais depressa do que as restantes e isso irrita-me solenemente!
Gripe A à parte, ainda bem que optámos por ficar por cá, isto porque no dia 3, antes de partirmos para férias e para não quebrar com a tradição, tivemos de ir ao CUF para mais um encontro imediato com um pediatra qualquer. Tudo derivou do petiz ter acordado com a pele irritada, um aspecto já não me era desconhecido: exantema súbito! Já sabia que ao fim de 3 dias tudo desapareceria e não precisava de fazer qualquer medicação, mas mesmo assim não quis partir para férias com suspeitas. O diagnóstico que havia feito foi confirmado e, após o almoço, fizemo-nos à estrada para experimentar o popó novo dos pais. Dois dias depois conheceríamos um CUF mais a sul, desta vez a das Descobertas, uma vez que logo na primeira noite fartou-se de tossir e na 2ª ninguém conseguiu dormir. Devo dizer-vos que detestei! Está a anos-luz do CUF de Matosinhos onde normalmente vamos. O atendimento é lento, as instalações deixam muito a desejar, o parque de estacionamento é um estouro, enfim, tive a sensação de estar num hospital público e para isso não teria de pagar! Não percebi bem o que lhe estava a provocar a tosse, só sei que fez uma nebulização com medicamento, foi-lhe prescrito Pulmicort e Aerius, muita água, chá de cebola e xarope de cenoura caseirinho. As mesinhas foram resultando e ele está melhor, ainda que não totalmente recuperado e já lá vão 15 dias.
Após este início de férias atribulado, lá conseguimos dar os nossos passeios e o Tomás divertiu-se imenso, andava sempre bem disposto! Claro que Verão que se preze não se pode furtar de umas idas à praia, coisa que abomino mas que por ele lá teve de ser. O pisar da areia não foi tumultuoso como havida imaginado, fez umas caretas e tal, não queria caminhar, mas depois de se habituar, gostou tanto da areia que até a comeu! Também gostou da água salgada, que acompanhou o petisco anterior! Brincar com a água do balde foi o que parece ter apreciado mais. Na praia toda a gente se metia com ele, desde meninas pequeninas a velhinhas curiosas. Os comentários são os de sempre: "que lindo, que olhos, que simpático, que grande, tantos dentinhos" e nós toca a babar mais um bocadinho! Sou uma babona incorrigível!!!
Nestes dias mais a sul ainda conseguimos ir à sessão infantil do Planetário. Portou-se lindamente, a ver as estrelinhas no céu e os planetas a circular. Foi muito giro, um sítio que recomendo. Desperta os sentidos dos pequenos e os nossos também. Amei! Também fomos à Fundação Calouste Gulbenkian ver os patinhos e era vê-lo a correr atrás destes! "Ai se vos apanho..."
Ainda fomos 4 dias à Serra da Estrela para a casa de férias dos avós. Fomos almoçar ao Museu do Pão e aquilo é muito giro, ainda que o restaurante seja carote! A serra no verão não tem o mesmo encanto, mas ir para uma reserva natural, onde o silêncio é a tónica da viagem, acordar com os passarinhos, abrir as janelas e recordar o cenário da "Heidi nas montanhas" é qualquer coisa de pouco traduzível por palavras. Talvez consigamos ir lá no Inverno para ver a neve...
E assim foram os nossos dias. Deu para descansar, fugir do stress e quebrar rotinas. Deu ainda para saborear umas coisas novas e encaixar uns quilos (foi mau!). Por vezes penso que os próximos anos serão assim, ir para fora do país, que é o que gostamos verdadeiramente de fazer, assemelha-se a uma miragem com o pequeno a pregar-nos partidas sempre que fazemos as malas. Nunca pensei em andar preocupada com constipações em pleno Agosto...tudo faz parte, "penso eu de que"!
Mas regressar ao nosso cantinho também é muito bom. Já tinha saudades da minha casa, da minha cama, do meu chuveiro! Para o ano há mais!

sábado, 1 de agosto de 2009

Ainda sobre o quarto...

Como algumas pessoas me perguntaram onde comprei isto ou aquilo do quarto do Tomás decidi colocar este post para quem precisar:

Papel de parede: colors 24 (http://www.color24.eu/)- referência http://www.color24.eu/shop/USER_ARTIKEL_HANDLING_AUFRUF.php?javascript_enabled=true&PEPPERSESS=6208567dcad131b325c59ab434fa2845&lang=en&darstellen=1&kat_aktiv=961&Ziel_ID=12311#Ziel12311; é um site alemão; gostei muito do serviço, foram rápidos e o papel chegou em perfeitas condições; têm uma enorme selecção de papeis (enorme mesmo, esse é que foi o problema) e já estou a pensar fazer umas remodelações em outros espaços da minha casa; os preços são acessíveis e os portes de envio são 20 euros.
Cama: é da marca Miki-Wiki; a marca é recente, foi lançada na Exporthome 2009; costumavam fazer mobiliário para a Bebeconfort, mas acabaram com isso e lançaram-se sozinhos; gostei, porque consegui escolher as cores, que no meu caso optei por tudo branco uma vez que o papel de parede já era bastante colorido, mas poderia pôr a cabeceira e gavetão com qualquer cor; havia um azul bebé e um verde-lima lindos de morrer! Foi comprada numa loja de mobiliário normal no grande Porto, mas eles vendem por todo o país, é uma questão de perguntarem numa loja de mobiliário da vossa zona; o único mal da cama foi...o preço. Só a cama custava 800 euros, depois mais o colchão ortopédico e o estrado...mas apaixonei-me e teve de ser. Como paguei a pronto tive um desconto de 10% e o preço desceu um bocadinho. O pequeno merece!
Camiseiro, estante e tapetes redondos: Ikea, "what else"! As 3 coisas custaram à volta de 125 euros! Uma pechincha!
Tapetão azul bebé: Izi.
Capa de edredão, almofada rectangular e candeeiro: Conforama e tudo foram aí uns 50 euros!
Espero ter ajudado! Beijinhos e bom fim-de-semana, com cheirinho a férias chuvosas!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Compras...inteligentes!


Gosto dos saldos! E esta é uma conclusão recente.
Não costumava perder-me por saldos antes de ter um filho. Comprava uma ou duas peças e ficava-me por aí. Pensava sempre que para o ano surgiriam outras coisas, e não compensava o investimento. Agora tudo é diferente, as roupas para eles não mudam assim tanto, tudo é "fashion" e por isso aproveito esta ocasião para lhe comprar umas coisinhas para o ano que vem. Este ano já lhe comprei:

Benetton - 2 t-shirts, umas calças de ganga, um chapéu;

Petit Patapon - 1 t-shirt (linda, linda, linda de morrer);

Sisley - uns calções (lllliiiiinnnndoooss);

Girandola - calções;

Zara - um casaco de malha.

E acho que não vou ficar por aqui. Fora de saldo teria gasto uns 200 euros (só os calções da Sisley custavam 50) e assim gastei metade. "Call me cheap", mas prefiro pensar que estou a fazer umas compras inteligentes!
Para mim fiquei nas duas peças habituais: um casaco de malha e uma t-shirt. Ficamos mesmo para 2º plano ..."ad eternum" ao que me parece!

sábado, 25 de julho de 2009

Temos quarto!

E o quarto do Tomás já está pronto!
Sempre quis que tivesse um quarto confortável, alegre e não muito infantil! Acho que consegui! Ainda faltam umas cortinas, não encontrei nada que gostasse até agora e emoldurar/pendurar o quadro que a tia Ana lhe pintou. Mas na sua essência já está. O quarto foi "inaugurado" no dia de anos do Tomás, ele ficou contente: olhava para todo o lado e sorria. Aqui ficam as fotos (que não estão grande coisa, mas foi o que se arranjou; a máquina não é grande coisa):
:




Já anda!

No último post esqueci-me de dar uma notícia muito boa: o nosso pequeno já anda! No domingo à tarde, quando estava na galhofada com os avós e os pais, lá se decidiu! Foram 6 belos passos! Daí em diante está cada vez mais aventureiro, todos os dias se emancipa. Já deu 8 passinhos seguidos! E nós ficámos sempre emocionados por vê-lo crescer! sniff, sniff!

terça-feira, 21 de julho de 2009

O dia de anos e a festa

O dia de anos foi passado na companhia dos pais como havíamos planeado!
Acordámos cedinho, o Tomás tomou banho e tomámos o pequeno-almoço juntos. De seguida foi hora de abrir os presentes oferecidos pelos pais. Teve alguma ajuda para os desembrulhar, mas lá se foi safando. Ainda não liga muito a estas coisas, para ele é tão interessante uma folha de papel, uma colher ou um copo de plástico como um brinquedo XPTO.
Presentes abertos toca a bulir! Passámos a manhã no Sea Life. Quando lá entrou ficou muito espantado, a observar tudo em seu redor, mas depressa se habitou e ligava mais aos miúdos que por lá andavam do que aos peixinhos, tubarões e raias com os quais nos cruzávamos. Os pais, por seu turno, adoraram e recomendam vivamente uma visitinha ao pequeno oceanário com os vossos filhotes. O de Lisboa é diferente, maior, mas o Sea Life faz-me lembrar a história da pequena Sereia e entrar lá é como mergulhar no conto de Andersen. Adorei!
Depois fizemos umas comprinhas de última hora, almoçamos, dormimos uma sesta e ao final da tarde preparamos alguns petiscos para a festa do dia seguinte.
A festa correu muito bem. Não foi um evento folclórico, com dezenas de convidados e grandes fantochadas do tipo fanfarras a tocar e faixas e afins a condizer, até porque esta festa é mais para nós do que para eles que não percebem nada do que está a acontecer. Talvez mais tarde monte o circo...Foi um lanche ajantarado vivido em família e um tanto intimista como gosto sempre de fazer. Acabou por ser um belo dia, o Tomás andava feliz da vida, de colo em colo, a receber miminhos de todos os presentes e a petiscar umas coisinhas novas, é um comilão. Na hora de cantarmos os parabéns não chorou como temíamos, ficou ali a observar tudo. A mãe teve muita pena de cortar o bolo!!! Estava tão bonito que me deu pena estragá-lo, mas "that's the point!" e lá teve de ser. Guardei os enfeites na caixinha das memórias para mais tarde recordar. O petiz gostou dos presentes e agora é uma animação cá em casa porque é só sons e barulhinhos até às 22h da noite.
No dia seguinte, passámos a manhã em Serralves com os primos. Serralves deve ter uns pós de perlimpimpim quaisquer que o Tomás sempre que lá vai dorme o tempo todo. Assim, nunca consegue ver os cavalos e os burrinhos e outros bichinhos afins (tantos inhos...). Para o ano há mais!
O que é bom acaba depressa, é ditado antigo. Esta noite acordámos com um respirar assustador, mas, infelizmente, familiar. Mais uma laringite! Toca a ligar para o Saúde 24, que geralmente presta um atendimento muito cordial mas que desta vez parecia estarem a fazer um frete. Demoraram uns 5 minutos a atender, chamava, chamava e nada e quando atendem fizeram passar a ideia de que eu não estava "boa da pinha" por querer que o meu filho fosse observado de imediato. Lá me deram umas dicas e disseram-me que fosse ao centro de saúde de manhã. Claro está que centro de saúde para mim está fora de questão e, como tal, às 09h da manhã lá estava eu no consultório do Dr. Egas, só porque as dicas acalmaram o pequeno, senão não esperaria pelo raiar do dia. Suspeitou que a causa deste episódio se deveu ao ar condicionado do carro. Não dormi quase nada, estou cansadíssima e tenho de fazer o meu concurso para o próximo ano lectivo e preencher a minha ficha de auto-avaliação para uma das escolas. Ai, ai...quero férias!
O que me anima é vê-lo todo bem disposto, apesar de doentinho! É um valentão este meu príncipe!
E aqui fica um cheirinho destes dias (por ordem de acontecimento):


quinta-feira, 16 de julho de 2009

Parabéns meu amor pequenino!!!

Meu amor pequenino,
No dia em que comemoras o teu 1º aniversário seriam muitas as palavras que te podíamos dedicar... há um ano atrás não nasceu só uma criança, contigo nasceu também um sonho. Mas hoje não vamos amar-te apenas por palavras, pois o amor de pais não se traduz somente por estas, mas sobretudo por afectos. Queremos entregar-nos às emoções deste dia e contigo vivê-lo intensamente.
Lembramos-te apenas que, ainda que todas as façanhas das nossas vidas se achem ocultas, terás sempre o nosso regaço para te recolheres. Vamos sempre amar-te...simplesmente.
17 de Julho de 2009

Consulta dos 12 meses

O meu pucunino só faz anos amanhã, mas ontem já fomos à consulta dos 12 meses.
Para grande felicidade nossa está fantástico (palavras do pedi)! Muito desenvolvido quer ao nível motor quer cognitivamente.
A partir de agora são só regras a implementar, vai ser a doer! Primeiro, chucha só para dormir. Quando sairmos temos de a deixar em casa, nem sei como vai ser quando se lembrar de fazer uma birra daquelas! Segundo, vai começar a preparar o desfralde. Cocós já fará no pote. Fiquei muito admirada, não esperava que fosse para já. Como ele é mais ou menos regular nas horas de fazer cocó, vamos começar por colocá-lo no pote ainda com a fralda e gradualmente vamos tirar a fralda para que ele comece a perceber o fundamento da coisa!!! Vai ser giro, vai! Terceiro, acabaram as idas da mamã à caminha dele durante a noite. Se acordar que adormeça sozinho. Vamos dar-lhe um boneco para que possa ir transferindo a atenção dele prestada aos pais para o brinquedo. Quarto, biberão para a água acabou-se. Passa a usar copo de pegas, vulgo "copo de transição".
Em relação à alimentação, vai comer de tudo, exceptuando doces e salgados. Eu não darei por iniciativa carne de porco para já, porque cá em casa é raro comermos e é uma carne que não me inspira grande confiança. Pode comer todas as frutas, iogurte natural e queijo fresco.
Perguntei do suor na cabeça, o pedi disse que era normal.
Ainda houve tempo para falarmos da gripe A, o pedi tranquilizou-me bastante. Disse-me que este ano já morreram 1200 em Portugal de gripe normal, que esta é menos agressiva e que está mais exposto aos riscos quem tem doenças crónicas, que felizmente não é o caso. Segundo o Dr., só em Portugal se dá grande destaque a este assunto, porque é uma tentativa de esconder outros assuntos nada convenientes como o Freeport e etc...concordei! Quanto às medidas de prevenção, foram as já divulgadas: lavar as mãos, evitar lugares fechadas, blábláblá.
E com isto o meu Tomás com 12 meses:
- mede 82 cm (percentil 97);
- pesa 10,800 kg (percentil 75 ; emagreceu 200 gr.)
- tem 16 dentes;
- anda seguro por uma mão;
- diz: mamã, papá, papa, bebé, olá, nah (não), popó (esporadicamente);
- dá a chucha quando lha pedem;
- enche a colher e leva à boca;
- bebe o biberão sozinho;
- não gosta de tirar e vestir roupa;
- nem de mudar a fralda (deve ser um pudico...);
- gosta de cantarolar;
-e de imitar os pais;
- adora pão e bolacha Maria;
- gosta de encostar a cabeça à mãe quando acorda de manhã; (é tão querido);
- é bem disposto e muito brincalhão;
- gosta de ferrar tudo e todos;
- e que posso dizer mais...é um fofo, adorado por todos.
E amanhã vai ser um dia repleto de emoções...estou nostálgica...passou tão depressa...ai...suspiro.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Fim de semana em cheio!

Este fim-de-semana foi cansativo, mas muito bom!
No sábado lá fui eu com os meus formandos ao Parque Biológico de Gaia. Amei! É fantástico, um sítio único e muito bom para levarem lá os vossos filhos. Precisam de umas 3 horas para ver tudo: as plantas, os bichinhos, as casinhas, as exposições, etc. O preço de entrada nem é nada caro e têm o bilhete família que é muito acessível. Podem almoçar lá no restaurante ou usar o parque de merendas que tem mesas com bancos com fartura. Nós optámos pelo picnic! Bem, uma desgraça, era tudo tão bom! Havia lá um bolo de caramelo de moreer...Devo ter engordado uns 2 kg.
À tarde fomos a Serralves, local onde vou habitualmente com o papá e o Tomás e, por isso, não constituiu uma surpresa. As obras expostas eram bastante interessantes, mas os alunos não gostaram. É difícil ler arte...acharam-se capazes de fazer igual!
Cheguei a casa morta de cansaço, mas ainda deu para dar banho ao petiz e a sopinha. Posto isto, caímos na cama de cansados.
No domingo fomos a um almoço de família a casa dos avós. A avó bisa, que não o via há meses, ficou admirada com o tamanho do Tomás, está um grandalhão. O bebé cá de casa, mais uma vez, fartou-se de comer pão, mal o via reclamava logo. E outra desgraça para a mamã: bacalhau com natas, torta de noz, azeitonas...mais 2 kg.
Deixo-vos estas fotos do Parque para vos aguçar a curiosidade:





sexta-feira, 10 de julho de 2009

A experiência é a "madre de todas as cousas"

Este título tem uma razão: ando estourada por que estive ontem e hoje enfiada na escola porque tive um Conselho de Turma Extra ordinário devido ao facto de um aluno ter apresentado recurso de notas e de reprovação. O menino chumbou no 8º ano com 5 negativas, mas o paizinho achou que o menino era um génio, um incompreendido e nós aniquilamos (foi o termo que o pai "ipsis verbis" utilizou) o pobrezinho. Eu, que fui uma das professoras que lhe deu negativa, tive de redigir uma justificação para a acta que me deu um trabalhão. Alguns pais são assim, durante todo o ano não querem saber de nada, não os educam, não os formam, não fazem nada senão alimentar os vícios de preguicite e de irresponsabilidade dos meninos e, no final do ano, quando a coisa fica mal parada, ai, ai, ai, ai, ai que o meu menino é uma vítima, os professores é que são mauzinhos. Não posso com isto! Já é grave que possam transitar com 3 e 4 negativas, agora isto? O que me vale é que sou precavida e tenho as provinhas todas do mau desempenho do aluno, senão...enfim, dá vontade de fechar os olhos e dar lá o 3 como muitos fazem. Quão mais rigorosos somos, pior. Mas...nunca conseguirei ser infiel aos meus píncípios éticos, não vale a pena iludir-me. Vou ser sempre rigorosa e tentar ser o mais justa possível...não sei estar no ensino de outra maneira. Mas que estas situações me causam uma enorme indignação causam!
Mudando para assuntos bem mais interessantes: estou a uma semana de celebrar o 1º aniversário do meu pucunino lindo! Ele vai ter uma grande surpresa que eu e o pai andamos a preparar e que depois mostraremos aqui. Já ando a pensar na festinha e em todos os pormenores. Ainda não pensei no que lhe vamos oferecer de presente. Que brinquedos me sugerem para a idade dele? Estou perdida. Já decidimos que vamos fazer um álbum livro do seu primeiro ano de vida, do nascimento à festa de anos. Já começamos a fazer, está a ficar, modéstia à parte, giríssimo.
Quanto ao bolo de aniversário já foi encomendado. Optámos por um bolo artístico que espero fique bem bonito, porque custou uns bons euros!
Ainda há muitas diligências a tratar, mas ando cheia de trabalho (os professores ainda não estão de férias, como muitos pensam!) e amanhã SÁBADO (o que me custa escrever isto) vou estar todo o dia numa visita de estudo com os meus alunos da noite. Ai, vai ser violento! Um sábado sem o meu pucunino, passado a trabalhar, sem ganhar um tostão por isso. É mesmo por amor à camisola! Au revoir passeios a 3, au revoir almoço em família, au revoir ida aos saldos, au revoir praia, au revoir sesta depois do almoço. Faço o que gosto, já não é mau. E os meus alunos merecem, são uns queridos! Olhem, aproveitem por nós também!
Bom fim-de-semana.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Coisas para contar

Neste fim-de-semana rumamos a sul para celebrar os 7 anos do primo Simão.
Como dou aulas à 6ª-feira à noite e só chego a casa lá para a 1h da manhã não tive tempo de deixar as malas prontas de véspera, logo no sábado foi uma correria para sair de casa. Os avós vieram desejar uma boa viagem, facto que ainda nos atrasou mais a partida.
A viagem correu, contudo, bem. O Tomás foi só com o body interior para não transpirar tanto. É que sempre que andámos de carro mais do que 30 m. ele fica ensopado na cabeça e já fizemos de tudo para evitar que tal aconteça, desde colocar fraldas, papel de cozinha, lenços de papel, etc, e contínua a suar. Não percebo, também vos acontece? É que é só na cabeça, no corpo não acontece...estranho.
A festa do primo foi boa, com muitas crianças, confusão q.b. típica de festa de aniversário e muitas brincadeiras à mistura. Enquanto lá estava comecei a pensar como seriam as tuas festas quando cresceres. Vai ser lindo! É uma grande responsabilidade supervisionar tantos miúdos. E eles juntos são terríveis, é o que vos digo! Em 2 tempos pegaram-se, com direito a briga e choradeira. É de doidos!
Como não tinha nada marcado, acabamos por ficar por lá até 3ª-feira. É sempre muito bom estarmos com a família paterna: o Tomás adora estar com os primos, tios e avós, que são todos uns queridos. Pena que seja sempre por pouco tempo. É muito chato vivermos tão longe, mas a vida tem destas coisas. Ponho-me a pensar se um dia o Tomás não irá viver para longe de mim, como o pai dele fez quando nos casámos. Não sei como suportaria...tenho toda uma vida para descobrir.
Acabámos por ir ao "famosssééérrimo" Dolce Vita Tejo e à Primark. É um shopping como tantos outros, mas maior. A Primark foi uma desilusão: as coisas são baratas, mas a qualidade deixa muito a desejar (e os modelitos são um nadinha extravagantes!). Só comprei umas meias para o Tomás.
Ainda deu tempo para irmos buscar o diploma do pai à faculdade. É sempre um misto de saudosismo e de refolgo voltar a este local, pelo menos foi o que me pareceu.
A única coisa menos positiva foi que o Tomás esteve um pouco aborrecido por causa dos dentes. Tem aí uns 8 dentes a furar e já deve contar com uns 16 dentes cá fora. Babou-se o tempo todo, tadinho. Agora está a arrebitar e hoje já foi à escola. Não vejo a hora de os ver todos cá fora!
E agora vou-me deitar que a noite adivinha-se longa com tanta papelada para preencher para a escola. Que dia!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Como manda a tradição


Ontem foi noite de S. João. Longe vão os tempos em que passava a noite a percorrer a marginal, a dar e receber marteladas até ser dia! Agora, com o pequeno, as coisas são bem mais caseiras.

Como já vem sendo habitual, fomos comer uma sardinhada a casa dos avós. Quer dizer, o pai e os avós comeram sardinhas e eu comi carninha grelhada na brasa na companhia do meu irmão que tb não é apreciador de sardinhas. No ano passado estava gravidérrima e apeteceu comê-las e que bem me souberam. Este ano nem as provei, logo foi coisa de momento! O Tomás, que já ia jantado, fartou-se de enfardar broa, nunca vi miúdo para comer pão como ele! Dever sair à mãe que nunca vira as costas a um pãozinho!

Comidos e bebidos, viemos para casa com um Tomás super cansado e birrento, tadinho. Ainda deu para vermos os balões de S. João a brilhar no céu negro. Tentamos mostrar ao Tomás, mas o sono já o dominava.

Gosto do S. João, lembra-me a nossa história. A primeira vez que o meu marido (mouro, diga-se) disse que me amava foi numa noite de S. João. Por isso, gosto sempre desta noite.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Quase, quase...


Ontem deu os dois primeiros passos sozinho.

Estava a brincar com o avô e decidiu-se. Foi tão giro!!!

É comovente, amei.

sábado, 20 de junho de 2009

Perdida


Percebemos que estamos a rebentar de cansaço quando vamos atrasadas para uma reunião e, a caminho da escola que fica a 75 km de minha casa, enganamo-nos na saída da auto-estrada e andamos 30m. perdidas em terras onde judas perdeu as botas! Diga-se que faço aquele caminho há 8 meses. Enfim, o calor, o excesso de trabalho, as preocupações, há um dia em que começamos a falhar!E eu já comecei.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

11 meses de um amor imenso!


Fazes hoje 11 mesinhos!
Hoje não fomos ao Pedi, logo não sei dizer ao certo quanto pesas e medes, mas deves ter crescido, estás um grandalhão.
Ao escrever sobre ti emociono-me sempre, principalmente quando não estás presente, como agora que estás na escolinha!


Aos 11 meses:

- Andas e corres (verdade!) agarrado (não andas sozinho, tens medo de cair; páras sempre que te largamos uma das mãos...tens tempo);
- Tens 10 dentes (últimos a furar: caninos superiores);
- Raramente acordas de noite para beber leitinho (lindo menino);
- Já comes com uma colher de ferro como um crescido, acabaram-se as colheres de silicone;
- És muito brincalhão;
- Continuas a adorar bolas (já tem 4 e andam por todo o lado da casa);
- Adoras bolacha Maria (a mãe já não pode abrir os armários que ficas logo agitado, a pedinchar uma bolachinha); és gulosito! Sais à mãe;
- Quando falamos contigo dás feedback;
- Calças o tamanho 21;
- Vestes 18-24 (e só tens 11 meses);
- Continuas a receber elogios por todo o lado e a mãe continua a babar, babar, babar...


Este mês será de novas aprendizagens e o próximo post do género será do teu 1º aniversário.

Agora, com a vossa licença, vou chorar ...de emoção, claro!


segunda-feira, 15 de junho de 2009

E como não podia deixar de ser...

... na quinta-feira passada tínhamos uma saída! E o que aconteceu? Digam lá? É isso mesmo, está-se mesmo a ver: o Tomás ficou doente!
Coitadinho, só percebemos isso já lá estávamos.
Saímos de casa a meio da manhã para irmos à 1ª comunhão do meu primo Henrique. O Tomás acordou durante a noite chateadito, mas pensámos que fosse fome, demos-lhe leitinho e ele dormiu novamente. De manhã tivemos de o acordar para que tomasse banho e ele continuava chateado, mas depreendemos que fosse por ter sido acordado do seu belo soninho. Na viagem estava molinho, mas lá está, pensámos sempre: "ah é do calor", "ah é de ter acordado estremunhado" "ah é da viagem"...mas não era. Quase não comeu, coisa rara, só queria o colo do pai e da mãe e transpirava por todos os poros. Seria dos dentes? Pensamos nós. Na viagem de mais de 100 km de regresso dormiu sossegadinho. Quando chegámos a casa tomou banhinho e ficou logo mais bem disposto. Pelo sim pelo não, medi-lhe a temperatura: quase 39 depois do banho. Apalpamos-lhe as gengivas: quentíssimas e larguíssimas. Dentes! Foi o que pensámos. O supositório que lhe dei em seguida deu frutos rapidamente, estava como se nada fosse e eis que, de repente, vomitou.
Perante este novo dado corremos para a CUF, uma 2ª casa para nós nos últimos tempos, e ao fim de 15 minutos estavámos a ser observados (benditos!). Diagnóstico: otite! A 1ª! Tratamento: antibiótico (2ª vez).
No dia seguinte tinha os 2 caninos de cima cá fora. Coincidência ou não sempre que rompe um dente fica com uma ...ite!
Agora está a ficar totalmente recuperado e hoje até já foi para a escola, porque a mãe teve de ir a uma mega chata reunião na escola. Ainda por cima não me faltam secas pela frente na vigilância de exames! Ai que ....$%&/?"$&&!!!
Até tenho medo de marcar algo para as férias! Parece uma praga.
Não faz mal amor pequenino, desde que recuperes bem, o resto são pormenores sem a mínima importância.
Beijinhos

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Saudades


Ontem à noite vi um programa no canal Travel que me fez viajar no tempo. O programa era sobre Cabo Verde, local onde vivi e trabalhei durante um ano.

A minha relação com Cabo Verde é um misto de encanto e desencanto, de saudade e de trauma, de amor e desamor. Tinha apenas 23 anos quando deixei tudo para trás para ir dar aulas para lá. Não o fiz por ser aventureira e por querer conhecer novas culturas, ainda que tal se tivesse proporcionado. Fi-lo para evitar o desemprego, era professora recém-licenciada e parecia que todas as portas se fechavam em meu redor quando aquela se abriu.

Vivi um ano numa das ilhas mais pobres do arquipélago com um colega com quem não tinha qualquer tipo de compatibilidade e, como tal, só me restou o isolamento. Perdi a conta das horas que passei na minha varanda sobre o mar a olhar o horizonte, que volta e meia me presenteava com o vislumbre de golfinhos ou baleias, a contar os dias para regressar a casa. Nunca mais viverei numa casa a 10 metros da praia! Posso dizer que sofri muito, a solidão é indubitavelmente o pior dos males. Se facilmente me adaptei a comer 20 vezes por semana atum, a só ter uma marca de iogurtes na prateleira do supermercado, a comprar arroz e outros alimentos a granel, a comprar galinhas ao padre, a regressar à idade média em múltiplos aspectos, nunca me habituei a estar a viver isolada numa ilha minúscula no meio do nada. É sufocante. Lembro que não havia acesso à cultura: nada de cinema, teatro, revistas, jornais...passei um ano ausente de tudo, mas acabei por ter a vantagem de ter tempo para ler e nunca li tanto na minha vida, devorava livros, a minha única companhia.

Mas ao mesmo tempo tenho boas recordações daquele lugar: a alegria contagiante das pessoas, a vontade de aprender do alunos, a beleza natural, o peixe maravilhoso, a gastronomia, a "morabezza" (arte de bem receber), o conhecimento do crioulo, as mornas da Teté Alhinho, a cultura, nadar com as tartarugas gigantes, ver os peixinhos na água cristalina de um oceano imenso, ter uma praia só para mim...enfim, ontem percebi, ao recordar Cabo Verde, que fiz as pazes com o passado e estou preparada para lembrá-lo com saudade. Espero ter a oportunidade de lá voltar e poder viver aquele país como merece ser vivido!